MPE pede cassação de Cícero por suposto abuso de poder econômico

O Ministério Público Eleitoral (MPE) ingressou com Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), com representação por conduta vedada, e que tem como um dos alvos o prefeito recém-empossado de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas). Ele é acusado de suposto abuso de poder político e econômico nas eleições municipais de 2020. A Aije data do dia 16 de dezembro, mas só se tornou pública nesta segunda-feira (4).

Também são alvos o vice-prefeito Leo Bezerra (Cidadania) e a gerente da 1ª Gerência Regional de Educação do Estado, Wleica Honorato Galvão Quirino. Na ação, a promotora da 70ª Zona Eleitoral da Capital, Dulcerita Alves, afirma que chegaram ao conhecimento da 70ª Promotoria de Justiça Eleitoral que a servidora teria utilizado a máquina pública do Estado para campanha política do então candidato Cícero Lucena.

“A primeira representada, Wleica, durante o segundo turno das eleições 2020 para a Prefeitura Municipal de João Pessoa, entre os dias 15 a 29 de novembro de 2020, praticou conduta vedada, em benefício do segundo e terceiro representados, qual seja: professores de escolas estaduais, durante o horário de normal expediente, para realização de pesquisas de intenção de voto, bem como, ECIT RAUL MACHADO, na Ilha do Bispo”, diz trecho da Aije.

A Aije foi encaminhada ao juiz da 70ª Zona Eleitoral e pede a cassação dos diplomas de Cícero e Leo, aplicação de multa a servidora estadual, além da decretação de inelegibilidade de oito anos, subsequentes às eleições de 2020. A ação traz mensagens de WhatsApp printadas, supostamente tratando de conversas realizadas sobre participação de professores da rede estadual, na Capital, na campanha.

Soltando o verbo com Informações do Portal Correio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *