Setores da economia do Recife devem começar a reabrir a partir de junho

O prefeito não divulgou quais as atividades devem ser retomadas primeiro ou quais os critérios para o funcionamento dos estabelecimentos – FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM

A reabertura de alguns setores da economia deve começar a acontecer em junho no Recife, declarou o prefeito Geraldo Julio na manhã desta sexta-feira (29), durante coletiva de imprensa online. “Nós acreditamos que no mês de junho, no decorrer de mês, será possível a flexibilização de algumas das atividades e de alguns setores da economia e da renda em nossa cidade”, afirmou o gestor. Segundo ele, o plano de convivência com a pandemia será preparado a partir de estudos feitos pelo Porto Digital, a pedido da prefeitura, no início de maio.

A encomenda tecnológica feita ao Porto Digital cruzou informações, a partir de um banco de dados, relacionadas à pandemia do novo coronavírus, como saúde, economia, renda e questões voltadas ao funcionamento da cidade. De acordo com o presidente do Porto Digital, Pierre Lucena, que também participou da coletiva, foi calculado o risco de cada atividade, o impacto econômico, incluindo o salário e a quantidade de empregos gerados, e levados em conta, nesta análise, os protocolos de saúde em relação à aglomeração gerada por cada uma das atividades.

“A gente acredita que num prazo curto algumas atividades poderão ser liberadas e, aos poucos, a gente vai liberando as restantes, inclusive os espaços públicos. Estamos muito preocupados com a saúde das pessoas, ao mesmo tempo que a gente se preocupa com o impacto econômico dessa liberação”, diz Pierre Lucena. Segundo a prefeitura do Recife, os próximos passos após os dias de quarentena mais rígida, que teve início no dia 16 de maio e se encerra neste domingo (31), serão feitos de acordo com o que for estipulado pelo governo do Estado.

O prefeito não divulgou, no entanto, quais as atividades que devem ser retomadas primeiro ou quais os critérios para o funcionamento dos estabelecimentos. Nas últimas duas semanas, com 16 bloqueios montados no Recife, 364 mil veículos foram abordados e 13.700 pessoas foram orientadas a voltar para suas casas. “Todas as atividades foram classificadas com base na quantidade de empregos e na geração de renda, sendo avaliado o grau de risco de contaminação de cada uma delas. A análise também considera os aspectos de cada região da cidade. A decisão sobre a abertura de cada atividade será baseada sempre em dados científicos”, disse Geraldo Julio.

O secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, explicou que, nos últimos dias, houve uma desaceleração da curva de crescimento dos casos na cidade, mas que ainda não é possível definir essa redução como permanente. Ele ainda ressaltou que houve uma diminuição na procura das pessoas pelo atendimento nas unidades básicas de saúde destinadas a pacientes com sintomas respiratórios, assim como dos chamados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Metropolitano.

A prefeitura também registrou redução nos novos internamentos em UTI e enfermaria no município. O Recife é a cidade com maior número de casos confirmados da covid-19 no Estado, com 6.239 pessoas infectadas, segundo boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado (SES-PE) nessa quinta-feira (28).

Fonte: Jornal do Commercio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *