CABEDELO: Cidade enriquece políticos e apadrinhados em detrimento da miséria social de boa parte da população

O ex-vereador de Cabedelo José Eudes, vem se apresentando como o que alguns especialistas chamam de “políticos do futuro”. José Eudes, que teve seu mandato cassado recentemente pela Câmara Municipal, segundo ele, por não fazer parte do grupo do prefeito, vem desempenhando importante e imprescindível papel de fiscal do patrimônio público de Cabedelo, mesmo sem possuir mais mandato de vereador, gesto que vem sendo usado cada vez mais por políticos sem mandato, ou seja, meros cidadãos insatisfeitos com supostos gestos de corrupção feitos por políticos com mandatos.

O parlamentar recentemente encaminhou à Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba,  gravíssimas denúncias que merecem e devem ser apuradas não só pela OAB, mas pela Justiça paraibana.

De acordo com Eudes, na denúncia consta que o advogado Rougger Guerra, além de advogar para a Câmara Municipal, também defende juridicamente o ex-presidente da Câmara Municipal da cidade, Lucas Santino, peça chave na Operação Xeque-Mate e um dos principais investigados no maior esquema de corrupção já descoberto na cidade de Cabedelo.

E para quem pensa que as denúncias ficam por aí se enganam. De acordo com o ex-vereador Eudes, o advogado Rougger Guerra “obtém vantagens indevidas”, pois, ainda tem a “esposa e irmã que levam dos cofres públicos mensalmente R5 mil cada” – ENTENDA CASO

A advogado Rougger Guerra foi denunciado à Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba, por “conduta atípica”. A denúncia foi formalizada por Eudes Souza, ex vereador de Cabedelo, e o crime apresentado seria “advocacia administrativa”.

De acordo com o documento apresentado por Eudes, Rougger estaria defendendo interesses privados enquanto advogado da Câmara Municipal de Cabedelo. O advogado já defendeu o prefeito Vitor Hugo e o documento correlata a contratação  da esposa do advogado e a sua irmã,  que estariam trabalhando na prefeitura de Cabedelo  recebendo cerca de R$5 mil cada, com uma suposta troca de favores.

O vereador Eudes teve seu mandato cassado após a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Cabedelo apontar excesso de faltas injustificadas às sessões deliberativas da Casa no ano de 2017, considerada uma infração disciplinar pelo artigo 37, inciso II, parágrafo 3º da Lei Orgânica do Município.

O que diz Rougger Guerra

Em nota, o advogado Rougger Guerra, que já foi advogado do atual prefeito Vitor Hugo e que atualmente advoga para a Câmara Municipal e além do ex-verador Lucas Santino, denunciado por improbidade administrativa em função de irregularidades na prestação de contas do legislativo municipal referente ao exercício financeiro de 2014, que causaram prejuízos aos cofres públicos; se defende da denúncia. Veja a nota abaixo na íntegra:

Em primeiro lugar, ainda não conheço os termos da denúncia apresentada pelo Sr. José Eudes, mas considerando o que consta das reportagens que chegaram até mim, tenho a esclarecer o seguinte:

Não possuo contrato com a Câmara Municipal de Cabedelo, este fora firmado com o Escritório do qual sou sócio;

Tal prestação de serviços para o Poder Legislativo não impede este advogado, sob qualquer aspecto, de advogar pessoalmente para outras pessoas, desde que os interesses não sejam conflitantes com a Câmara Municipal;

Todos os constituintes por mim defendidas assim o foram em razão de contrato individual de honorários firmado para esse fim, com o pagamento de valores acordados entre os contratantes, sem qualquer relação com o Contrato do escritório com a Câmara Municipal;

Quanto as ilações acerca da situação profissional da minha esposa, esta é servidora comissionada da Prefeitura Municipal de Cabedelo muito antes do contrato junto ao Poder Legislativo, atuando com zelo e dedicação no exercício de suas funções, sendo o que basta; e

A denúncia em questão, em sendo verídica, demonstra um compreensível inconformismo do vereador José Eudes com a extinção do seu mandato levada a cabo pela Câmara Municipal de Cabedelo, ainda que este advogado não tenha tido qualquer participação no ocorrido, senão o assessoramento técnico;

Certo de que a verdade prevalecerá e da correção da sua conduta, é o que havia a esclarecer.

Rougger Guerra

O advogado até tentou justificar o contrato da sua esposa com cargo comissionado na prefeitura, porém sequer mencionou o fato dela receber um salário tão alto, que cargo ocupa para justificar o seu salário e por qual razão sua irmã também teria sido contratada com alto salário, conforme diz a denúncia. Faltou esclarecer.

Do Soltando O Verbo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *