Aquela que carrega consigo o Dom da Vida, é a mesma que nos pôs no mundo e tornou possível conhecermos o amor do Criador. Mãe, a palavra é pequena, mas seu significado é maior que qualquer texto que se atreva lhe explicar.

Neste Domingo das Mães, toda a equipe do Soltando O Verbo, vem desejar a todas mães de Cabedelo e do mundo, nosso agradecimento e votos de muita saúde, paz e imensurável amor, que o Criador de todas as mães, conceda chuvas de bênçãos e que a bondade Divina seja constante em cada coração materno.

Aproveite e deixe aqui uma mensagem para a sua mãe, ela será vista por todo o mundo – literalmente!

Para simbolizar tudo isso, pelas que nos agraciam com sua presença e àquelas que já partiram, nossa homenagem através de um poema de Carlos Drummond de Andrade:
Para sempre
Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Poema: Carlos Drummond de Andrade

Da Redação do soltandooverbo,com,br, Wellington Costa