Operação Gabarito: Entre os concursos investigados estão: (Guarda Municipal de João Pessoa, Bayeux, Cabedelo), prefeituras de João Pessoa, Bayeux, Santa Rita, Cabedelo.

Durante uma coletiva de imprensa realizada na manhã da última segunda-feira (08), na Central de Polícia Civil, no bairro do Geisel, em João Pessoa, a polícia deu detalhes sobre a prisão e o ‘modus operandi‘ da quadrilha que é suspeita de fraudar concursos públicos na Paraíba e em outros estados do Nordeste.

De acordo com a delegada Wanderleia Gadi, responsável pelas prisões ocorridas no Rio Grande do Norte, foram três meses de investigações, onde a polícia pôde identificar cerca de 48 concursos públicos fraudados e pelo menos 500 pessoas beneficiadas pelo esquema.

Entre os concursos investigados estão: Guarda Municipal (João Pessoa, Bayeux, Cabedelo), prefeituras de João Pessoa, Bayeux, Santa Rita, Cabedelo, Conde, Alhandra e outras cidades do interior da Paraíba, Câmara de João Pessoa, Corpo De Bombeiros da Paraíba.

“Nesse domingo nós prendemos nove pessoas no Rio Grande do Norte, destas, seis estavam realizando o concurso para o Ministério Público do estado e três pessoas estavam do lado de foram recebendo e repassando as informações para os integrantes de João Pessoa que usando equipamentos de alta tecnologia forneciam as informações privilegiadas para os quem estava realizando as provas” revelou a delegada.

Ainda segundo Wanderleia, a quadrilha tem atuação em diversos estados do Nordeste e contava com a participação de diversos integrantes da mesma família, alguns exercendo cargos públicos. Ela ainda informou que após concluído o inquérito, as informações serão repassadas para os órgãos que tiveram os concursos fraudados para que haja a tomada de providências.

“O correto seria que os concursos sejam cancelados e é por isso que concluído o inquérito as informações serão repassadas para os respectivos órgãos para que tomem as providências cabíveis” concluiu.

 

ENTENDA O CASO:

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) da Capital, prendeu 19 pessoas durante a ‘Operação Gabarito’, realizada neste final de semana. A quadrilha é suspeita de fraudar concursos públicos na Paraíba e em outros estados do Nordeste.

A maioria dos presos estavam em um condomínio de luxo no bairro do Cabo Branco, Zona Leste de João Pessoa. Além das prisões, sete carros pertencentes aos suspeitos foram apreendidos. Em Natal, no Rio Grande do Norte, outras cinco pessoas foram presas também suspeitas de participação na quadrilha.

A organização criminosa estava sendo investigada pela DDF há aproximadamente três meses, período no qual se confirmou que os suspeitos atuaram por pelo menos uma década, conseguindo “aprovar” servidores em instituições municipais, estaduais e federais. Confirme a investigação da Polícia Civil paraibana, mais de 400 pessoas foram beneficiadas pelo esquema fraudulento e mais de R$ 12 milhões obtidos pela quadrilha.

De acordo com o delegado titular da especializada, Lucas Sá, entre os concursos investigados estão: Guarda Municipal (João Pessoa, Bayeux, Cabedelo), Prefeituras Municipais (João pessoa, Bayeux, Santa Rita, Cabedelo, Conde, Alhandra e outras cidades do interior da Paraíba), Câmara Municipal de João Pessoa, Corpo De Bombeiros da Paraíba, Polícia Militar da Paraíba e diversos outros concursos, a nível municipal, estadual e federal.

De acordo com investigações, no momento da prova, o candidato conseguia se comunicar com os suspeitos que repassavam as questões do concurso. Um dos presos, um professor de matemática, era o responsável por responder as questões. Assim, o candidato recebia o gabarito pronto e conseguia aprovação.

Há informações que teve presos nas cidades de Bayeux, Santa Rita e Campina Grande, e essa operação já é considerada a maior do Brasil contra fraudes em concursos públicos. Mais de 60 concursos foram fraudados.

Mais informações sobre a ‘Operação Gabarito’ serão repassadas durante uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (8), a partir das 10h, na Central de Polícia Civil, no bairro do Geisel, na Capital.